Quarta, 20 de setembro de 2017
Logo

Acesso ao Painel

cadastre-se | esqueci minha senha

  • Leitura
    A A
  • Imprimir
  • Indique nosso site

Conceito

Com o passar dos anos e o processo normal de envelhecimento, o risco de fraturas osteoporóticas aumenta, progressivamente, em virtude da diminuição da Densidade Mineral Óssea. Além da quantidade de massa óssea, outros fatores, também contribuem para o risco de fraturas.

Enquanto a medida da BDM (Densidade Mineral Óssea) fornece um índice estimado do risco, é preciso ficar claro que este índice não reflete todos os elementos implicados no risco total, que serão somados ao estilo de vida, alimentação, atividade física, doenças concomitantes, uso de medicamentos etc...

A grande maioria das fraturas pela Osteoporose ocorre na mulher idosa, sendo que a incidência aumenta, progressivamente, com a idade. A coluna vertebral é a sede mais freqüente destas fraturas, seguida pelo fêmur proximal e punho. Alguns outros locais como tornozelo, calcanhar, ombros etc., em virtude da Osteoporose do idoso, fraturam também com mais freqüência, já que o acometimento desta doença é universal. Por vezes, pequenas quedas são suficientes para o aparecimento destas fraturas que passam despercebidas e são diagnosticadas ao acaso, quando de pesquisa de uma dor referida mal localizada.

Trabalhos publicados referem que em uma população adulta normal, a incidência de fraturas nas mulheres é, pelo menos, 2 vezes maior que nos homens, devendo-se isso ao menor pico de massa óssea das mulheres.

Quando levamos em consideração a freqüência de fraturas osteoporóticas nas mulheres idosas, esta chega a ser 6 vezes maior que nos homens idosos, devido à perda acelerada de massa óssea à partir da menopausa, à maior probabilidade de queda nas mulheres acima de 70 anos de idade e o fato da sobrevida das mulheres ser, estatisticamente, maior do que a dos homens.

De uma maneira geral, podemos dizer que o risco de fratura nas mulheres, durante o seu período de vida é, pelo menos, 30% maior em comparação ao sexo oposto.

Pergunte ao seu médico qual a maneira ideal que ele recomenda no seu caso. Procure sempre um especialista.

Dr. Antonio Carlos Novaes (Reumatologista)
Assistente Estrangeiro da Fac. de Med. de Paris